Esquizofrenia tradutória

trados-vs-wordfast

Qual seu favorito? Não consigo decidir.

Adoro a simplicidade do Wordfast, integrado ao Word, comandos simples, interface limitada (é muito confortável para não intimidar iniciantes).

Detesto as tags em roxinho que se apagadas bagunçam o documento todo.

Adoro o Trados apresentar na mesma tela: acesso à TM, texto original e tradução, além de glossários e preview.

Detesto esquecer de confirmar um segmento e no final a tradução ficar em 99,3% porque tem um infeliz lá no meio que eu esqueci de ticar.

Adoro a facilidade do Wordfast de acrescentar termos ao glossário (Ctrl + Alt +T duas vezes e segue o baile).

Detesto a tecnologia bizarra de um programinha uruguaio a ser instalado para o Wordfast conseguir editar um arquivo de Power Point.

Adoro o Trados ser capaz de tornar qualquer tipo de arquivo traduzível, até os em formato de memoQ e Tag Editor.

Detesto a sopa de tags que ele deixa em documentos passados no OCR.

Adoro o Wordfast ter uma versão online, o Wordfast Anywhere. Já me salvou muitas vezes.

Detesto admitir que ainda não estudei o Wordfast Pro a fundo, pelo simples motivo de: não fui com a cara daquele programa.

Adoro o Trados oferecer programas de treinamento online, tutoriais completos no YouTube e selos de certificação para você exibir por aí.

Detesto o Java ter que carregar para eu conseguir adicionar termos no glossário e muitas vezes falhar miseravelmente.

Adoro o Wordfast dar desconto na licença para habitantes do Brasil.

Detesto a licença ter prazo de validade de 3 anos (ano que vem tenho que renovar).

Adoro o Trados constantemente apresentar novas versões do Studio, sempre com novidades e recursos super úteis.

Detesto ter que comprar novas versões (mesmo com um desconto camarada para quem já tem o anterior) e instalar mais um programa no PC.

Adoro a possibilidade de salvar arquivo “sujo” (com os segmentos nas duas línguas) no Wordfast, fica muito mais fácil de revisar.

Detesto o Wordfast travar com: arquivo grande demais, tabelas no Word, cabeçalhos e/ou rodapés.

Adoro o Trados ter recursos de gerenciamento de projetos, como campo para preencher nome do cliente e prazo de entrega, me sinto fazendo cronograma no Microsoft Access.

Detesto ter que abrir todo um novo programa, com uma nova plataforma, para criar um glossário de nada.

Adoro o Wordfast conversar com você quando você toma uma decisão dúbia, dizendo “Se souber o que está fazendo, clique em sim. Se estiver em dúvida, clique Não” (ou coisa parecida).

Detesto a limitação de uso do número de TMs e de glossários do Wordfast Classic.

Adoro o Trados conversar numa boa com o X-Bench, até com atalho de teclado.

Detesto o Trados 2007 com todas as minhas forças.

Adoro ainda ter muito o que descobrir nos dois programas.

Mas acima de tudo, detesto saber que existem diversas outras CAT Tools. Me conhecendo, vou acabar baixando, fuçando, comparando e tendo que decorar (e confundir) novos atalhos de teclado. No entanto, adoro ver como a indústria de tradução está sempre fazendo o possível para facilitar a nossa vida ontem, hoje e sempre.

Comments
3 Responses to “Esquizofrenia tradutória”
  1. Matheus disse:

    Adoro encontrar artigos como esse para ler!

  2. gabriel disse:

    Muito bom o teu artigo. Só uma observação, tenho o wordfast classic há 5 anos e nunca tive que comprar uma nova licença. Pelo que sei, só é preciso renovar quando reinstala ele já passados os 3 anos da adquisição. Como nunca tive de formatar o meu pc nem reinstalar o office, ainda trabalho com a única licença que comprei há 5 anos. Abraço!

Trackbacks
Check out what others are saying...
  1. […] aqui no começo do blogue um comparativo entre Trados e Wordfast, mas hoje em dia deixei o Wordfast de lado, por ele não me oferecer os mesmos recursos que os […]



Leave A Comment

Protected with IP Blacklist CloudIP Blacklist Cloud