Português

Tudo o que você queria saber sobre legendagem

Marina Borges / 24 de junho de 2019
Imagem do rawpixel, sempre ele

Legendei um filme ano passado, a produtora me contatou novamente perguntando se eu tenho a transcrição para eles traduzirem para outros idiomas.

Não, não tenho a transcrição. Quando legendo uso um programa chamado Subtitle Workshop. Abro o vídeo nele e vou escutando o áudio e formando legendas, seguindo alguns critérios:

  • Uma legenda tem que respeitar a regra de conter 15 caracteres por segundo.
  • Tem que ter no máximo 42 caracteres por linha, incluindo espaços, com duas linhas no máximo (isso varia entre cinema, TV e DVD – falei o número máximo mesmo).
  • Se uma pessoa fala rápido demais, a gente luta para fazer muita palavra caber no limite de caracteres por segundo, aí é cortem-lhe as cabeças, igual a Rainha Louca da Alice:
  • Se a pessoa fala devagar demais,

a legenda

às vezes

fica bem pequena

assim

e

é

horrível

  • Se uma pessoa está falando ao telefone, cantando ou narrando em off na cena, a legenda vai em itálico. Padronização, não me pergunte o motivo, deve ser justamente para pontuar essa diferença de não ser uma voz ativa na tela.
  • Se alguém faz uma citação, colocamos a legenda entre aspas. E aí diminui ainda mais o espaço de caracteres, né, olha mais um empecilho para o pobre legendador. Na pós que estou fazendo o professor de legendagem ainda colocou uma pegadinha a mais: na cena uma pessoa fazia a transcrição de uma gravação lendo os lábios do falante. Ou seja, legenda entre aspas e em itálico, olha que maluquice.
  • Se for uma conversa, uma entrevista, então? Dá-lhe travessão, as duas linhas da legenda representando o diálogo. Você nem repara, né, mas a gente tá lá, organizando tudo para sair bonitinho.

Ou seja, como você pode ver a vida do tradutor legendador não é das mais simples. Em geral quem trabalha com isso gosta muito do que faz, porque olha, é um trabalho, viu?

Existem ainda outros pormenores, pensa que acabou?

O formato da legenda, por exemplo. Você já baixou filme pirata que eu sei, então já viu o formato .srt, o mais comum. Basta salvar o arquivo srt e o vídeo em uma pasta só que muitas vezes os programas de reprodução de vídeo fazem a combinação, bastando você colocar para tocar. Tem cliente que quer outro formato, e aí só nosso amigo Subtitle Workshop para nos ajudar nessas horas.

A cor da legenda. Tem uma regra também. Até onde eu saiba, branco no cinema, amarelo na TV. E você reclamando da legenda branca naquela cena de Matrix.

“Queimar” a legenda no filme. Tem gente que quer. Aí fica um arquivo gigante, coisa de 8 giga. Nessas horas recorro ao maravilhoso Format Factory, que tem essa cara de amador mas é porreta para essas questões de formatação em geral.

Agora imagina se antes de tudo isso a gente fizesse a transcrição!…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Protected with IP Blacklist CloudIP Blacklist Cloud